Conselho de Administração e Governabilidade na gestão de crise das empresas familiares

Por Domingos Ricca, ricca@empresafamiliar.com.br O fundador de uma empresa familiar é, comumente, uma pessoa solitária na sua posição de gestor corporativo. Muitas vezes sua tomada de decisão é precedida de conflitos pessoais e, com frequência, não tem com quem dividir o “peso” de suas responsabilidades. Algumas de suas inquietações são: Meu filho (a) tem condições de assumir a empresa? Como posso alocar todos os meus herdeiros na organização? Como escolher um sucessor? Sou pai e dono da empresa. O que faço para preservar os dois papéis? Entre outros dilemas… (clique...

De pai para filho | Revista Pnews

A ultima edição da Revista Pnews conta com nosso Sócio-Diretor Domingos Ricca, falando sobre Sucessão Familiar. Clique aqui e...

Os pilares de uma empresa familiar: Questões essenciais para uma boa sucessão

Sem dúvida, a figura mais importante da empresa familiar é o fundador. O pai, o avô, aquele que desenvolveu e concretizou o negócio, e que, definitivamente, é exemplo a ser seguido pelos familiares. O empreendedor cria uma empresa a partir de um sonho pessoal e chega ao fim da vida com dificuldade de compartilhar os seus valores e sonhos com a segunda geração. Alguns empreendedores se frustram por não conseguirem repassar seus sonhos e projetos para seus herdeiros. Assim, a passagem da gestão de uma geração para outra, não trará o contorno de continuidade idealizado pelo fundador. O filho que assumir a gestão da empresa deverá representar mais claramente os valores da família, que normalmente são: trabalho duro, comprometimento com o sucesso do negócio, disposição para se sacrificar pelo cliente, confiança dos familiares. Para continuar Clique...